Anos 90

A década de 1990 simplesmente década de 90 ou ainda anos 90 é a década que teve início em 1 de janeiro de 1990 e terminou em 31 de dezembro de 2000. Foi a última década do século XX e do segundo milênio.
A década de 90 começou com o colapso da União Soviética e o fim da Guerra Fria, sendo esses seguidos pela consolidação da democracia, globalização e capitalismo global. Fatos marcantes para a década foram a Guerra do Golfo e a popularização do computador pessoal e a Internet.

Visão geral

Otimismo e esperança seguiram o colapso do Comunismo, mas os efeitos colaterais do fim da Guerra Fria estavam só começando, como o advento terrorista em regiões do Terceiro Mundo, especialmente na Ásia. O Primeiro Mundo experimentou crescimento econômico estável durante toda a década. O Reino Unido, depois de uma recessão em 1991-92 e a desvalorização da libra, conseguiu 51 bimestres seguidos de crescimento que se seguiram no novo século. Até nações com menor representatividade econômica como a Malásia tiveram aperfeiçoamentos gigantescos. Mas deve-se notar que a economia dos Estados Unidos permaneceu sem crescimento durante a primeira metade da década.
Muitos países, instituições, companhias e organizações consideraram os 90 como "tempos prósperos".
Politicamente, os anos 90 foram de democracia expansiva. Os antigos países do Pacto de Varsóvia logo saíram de regimes totalitários para governos eleitos. O mesmo ocorreu com países em desenvolvimento (Taiwan, Chile, África do Sul e Indonésia).
Apesar da prosperidade e democracia, houve um "lado maléfico" significativo. Na África, o aumento nos casos de AIDS e inúmeras guerras levaram á diminuição da expectativa de vida e nada de crescimento econômico. Em ex-nações soviéticas, havia fuga de capital e o PIB decrescente. Crises financeiras nos países em desenvolvimento foram comuns depois de 1994, apoiados pela globalização. E eventos trágicos como as guerras dos balcãs, genocídio de Ruanda, a Batalha de Mogadíscio e a primeira Guerra do Golfo, assim como o crescimento do terrorismo, levou á idealização do choque de civilizações. Mas esses fatos foram apenas relembrados com relevância na década de 2000.
A cultura jovem foi muito diversificada se ramificando em tribos num universo social muito diverso que foi desde o superficialismo e consumismo até a militância ambientalista e antiglobalizante. A expressão nas roupas e através de tatuagens e piercings também foi marcante, bem como o consumo de drogas com o surgimento do ecstasy ligado a cultura de música eletrônica o aumento no consumo de maconha na classe média. No Brasil o jovem se viu envolvido cada vez mais com sexo em idade precoce e também foi vitima do aumento da violência nos grandes centros urbanos.

No Brasil


Os anos 90 começaram com instabilidade, com o confisco de poupanças do presidente Fernando Collor. Os negócios escusos de Collor mais tarde levariam milhares de jovens (mobilizados por uma forte campanha de mídia) a criarem o movimento "Caras Pintadas" e pedirem seu impeachment.
No governo seguinte (Itamar Franco), o país experimentou estabilidade econômica e crescimento com o Plano Real (1994), que igualava a paridade da moeda e do dólar por meio de uma banda cambial. O Ministro da Fazenda que implementou o Real, Fernando Henrique Cardoso, se elegeria presidente por duas vezes seguidas naquela década, ganhando sua reeleição após mudar a Constituição. O sistema de bandas cambiais mostrou fragilidades ao fim da década, tendo impactos no aumento da pobreza.[1] Com as reservas cambiais comprometidas, a moeda tornou-se flutuante em janeiro de 1999, após não suportar as pressões especulativas junto à crise russa de 1998.
A cultura brasileira tornou-se mais valorizada[carece de fontes], com a ressureição do cinema e a boa recepção de músicos brasileiros no exterior. O esporte também passou por bons momentos, com 18 medalhas olímpicas e títulos mundiais em futebol e basquete.

Cultura - Música

As principais bandas da decada : Guns N' Roses, Hanson, Nirvana, Blur, Pearl Jam, Pantera, Rage Against The Machine, Faith No More, Radiohead e Red Hot Chili Peppers. Red Hot Chili Peppers estoura nas paradas com novo estilo de Rock baseado no Funk e dando origem ao Rapcore, junto com parecerias com Rage Against The Machine. No começo dos anos 90, o Guns N' Roses lança os álbuns Use Your Illusion I e II, alcançando o primeiro e o segundo lugar das paradas da Billboard. Em apenas um dia, os dois albuns juntos venderam 1 milhão de cópias. O Grunge vira o ritmo dos jovens, destruindo os princípios do Pop. Nomes como Axl Rose e Kurt Cobain foram bem mais sucedidos de que Mariah Carey e Boyz II Men na época. Começou em 1991 a turnê do Use Your Illusion, que durou 26 meses, havendo 192 shows. O Grunge detona o New Wave e o Pop, levando a mídia apenas para a Década do Rock. Slash, John Frusciante e Tom Morello são os principais nomes dos anos 90 como guitarristas. Guns N' Roses, Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden, Alice In Chains e Stone Temple Pilots foram os maiores ícones da música do Rock, dando iníco à quebra do Michael Jackson e da Madonna, passando por cima do Hip Hop, pois na época,o sonho do mundo era se tornar um ídolo Grunge. Kurt Cobain se suicida, dizendo a mídia, e dando fim ao Grunge. Cobain deixa saudade, mas as raízes do Grunge e se misturam no Rock Alternativo e formam o Post-Grunge. Cantores desse estilo são Foo Fighters, Audioslave, Nickelback, The Calling e Creed. Slash anuncia a saída da banda Guns N' Roses em 1996. Mais tarde ele formaria a banda Velvet Revolver junto com seus ex-companheiros de Guns's, o baixista Duff McKagan e o baterista Matt Sorum. A MTV se formou graças ao Grunge. O Grunge foi tão grande, que teve um filme de James Cameron Singles em homenagem a esse grande fenômeno. Além do Grunge, o gênero jovem mais abrangente foi o Rock Alternativo e o Rapcore. Rage Against The Machine estourou no mundo com singles de protesto, bem no fim da Guerra Fria. Gravaram com Snoop Dogg e outros rappers dos anos 90. Eles deram inspiração a outros cantores como Linkin Park, System of a Down e outros. Até boatos que eles influenciaram no Hip Hop com Kanye West, Lil Wayne, 50 Cent, Ludacris, Flo Rida entre outros. As emissoras de rádios eram 90% Grunge, Rapcore e Rock Alternativo e 10% outros estilos musicais. A banda Nirvana impulsionou o estilo Grunge em 1991, com o sucesso Nevermind que chega ao topo das paradas com o single Smells Like Teen Spirit que estoura restritamente entre os jovens da época e trazendo sucesso da nova emissora MTV, aos jovens. A banda Nirvana se torna o ícone dos adolescentes na época, com a ajuda de outras bandas de Seattle, como Pearl Jam, Alice in Chains (primeira banda Grunge a se destacar na mídia), Soundgarden e Stone Temple Pilots. A morte de Stevie Ray Vaughan, ícone do Blues, influenciou em cantores dos anos 2000 como John Mayer. Os principais singles de rock grunge tomam de assalto os topos das paradas na época, com Smells Like Teen Spirit, Come As You Are Lithium e Heart-Shaped Box do Nirvana; Nutshell, Man in the Box e Would? do Alice In Chains; Even Flow do Pearl Jam e Rusty Cage do Soundgarden. Rage Against The Machine e Pearl Jam ajudaram a eleger Bill Clinton. Com o fim do estilo grunge, surge o Rap Metal, junto com o Rapcore, com batidas do Funk Americano e do Hip Hop, com guitarras com som influentes de White Zombie, Helmet, e etc. Bandas como Rage Against The Machine, Red Hot Chili Peppers, Faith No More,Limp Bizkit apreciaram esse ritmo tornando-se novo sucesso absoluto e reacendendo a chama do rock'n'roll que recomeça a crescer. O novo estilo abusa de letras agressivas como no rap, em protestos políticos e revolta contra a sociedade e batidas ritmadas como o Funk Americano (pouco apreciado na época). O vocal potente de Zack de La Rocha, a guitarra eletrônica do Tom Morello faz do Rage a maior banda dos anos 90, assim que o Nirvana quebra, se tornando a nova banda dos jovens. O RATM foi censurado na Billboard por causa do governo, porque senão encheria o quadro de músicas e a música mais apreciada é o Killing In The Name, que torna-se o hit mais popular nas do gueto e do público norte-americano e europeu nos anos 90, junto com Smells Like Teen Spirit do Nirvana. Rage Against The Machine se tornou popular até que um dia, ápós o protesto contra a Bolsa de Valores de New York, a banda quebra nos anos 2000 e os outros integrantes da banda, sem o Zack De La Rocha, que segue com o protesto junto com os rappers da atualidade, formando o Audioslave, que se torna grande nos anos 2000 com a música Like a Stone, chegando em #31 na Billboard Hot 100. A banda se reagrupa, mais sem sucesso em 2007. Depois, veio Britpop, com bandas britânicas influenciadas pelos Beatles e outras bandas da 1ª Invasão Britânica (como The Who e Rolling Stones), como Blur, Oasis, e The Verve. O The Verve estoura na Copa do Mundo de 1998 com o single Bittersweet Symphony chegando em #12 na Billboard Hot 100. Músicas eletrônicas, experimentais e com intuitos "underground" se fundem com o rock e se popularizam com bandas como Nine Inch Nails, Rammstein, KMFDM e Ministry entre outras. Mais tarde algumas dessas bandas gerariam controvérsia ao serem indiretamente relacionadas a fatos como o Massacre de Columbine, em 1999.
O Metal Sinfônico começa a se manifestar com a aparição de bandas como Within Temptation, Nightwish , Tristania , After Forever entre outras. Estas bandas implementam temas mais escuros e profundos nas suas letras, usando sons orquestrais e coros juntamente com os sons típicos do rock.
No final da década de 1990, a imprensa britânica condecorou a cantora e atriz Cher com o título de "Goddess of Pop" (em inglês, Deusa do Pop), por sua grande influência em todos os ramos da cultura pop (música, cinema, TV e moda) e legado artístico. Com o álbum Believe (1998), Cher trouxe o retorno o gênero dance, alcançando o primeiro lugar em 23 países simultaneamente. O efeito de distorção no vocal da música, criado pela própria cantora e batizado de Cher Effect, foi bastante popularizado na música popular contemporânea Cher é a única artista solo a conseguir um número um em qualquer parada da revista Billboard
O pop começa a revelar grandes vozes ao mundo como Céline Dion, Mariah Carey e Whitney Houston, cantoras que emplacaram suas músicas na Billboard. Mas não foi alvo do público maior dos EUA e do mundo.
O pop teen começado no fim dos anos 20 retorna com força com Spice Girls, que foi um dos maiores fenômenos da música da época, juntamente aos Hanson, Backstreet Boys, Shakira, Thalía, Christina Aguilera,e Jessica Simpson,'N Sync e Britney Spears.
Apesar de Michael Jackson se envolver em polêmicas envolvendo sua vida pessoal o Rei do Pop lança álbuns como sempre de sucesso estrondoso: Dangerous (o álbum masculino mais vendido dessa década), HIStory: Past, Present and Future – Book I (o álbum duplo mais vendido da história) e Blood On The Dance Floor (o álbum de remixes mais vendido da história). Ele visita o Brasil duas vezes: em 1993 para duas apresentações da Dangerous World Tour em São Paulo, no Morumbi e em 1996 para gravar o clipe de They Don't Care About Us na Bahia e no Rio de Janeiro, sempre muito assediado por fãs e pela imprensa.
A Rainha do Pop Madonna vem ao Brasil pela primeira vez com sua turnê The Girlie Show em 1993. Com duas apresentações, uma em São Paulo, no Morumbi, e outra no Rio de Janeiro, no Maracanã, ambas em novembro daquele ano.
O punk rock volta com tudo com o sucesso de bandas como Green Day e The Offspring mais o hardcore melódico do Pennywise, Bad Religion e NOFX.
Mais tarde, no final da década, com significativas e visíveis mudanças no estilo de bandas como Green Day e The Offspring, então principais representantes do punk no cenário mundial, junto ao surgimento de bandas como Blink-182 e Sum 41, surge o controverso pop punk.
Radiohead consegue aclamação popular e crítica, com os álbuns The Bends e OK Computer. A banda passou a produzir álbuns experimentais (com influências artistas da Warp Records, como Aphex Twin) para fugir da imagem "comercial".
O rap entra para cultura popular, começando com Tupac Shakur, The Notorious B.I.G., Eazy-E, MC Hammer, Public Enemy, Vanilla Ice, NWA e terminando com o hip-hop de Puff Daddy, Dr. Dre e Eminem. No Brasil o ritmo se popularizou com Gabriel, O Pensador e Planet Hemp.
Emerge para o grande público a house music, nascida em Nova York com o DJ Frankie Knuckles.
A década de noventa foi marcada também pelo estilo Dance, mais conhecido como Eurodance, gênero derivado do Italo Disco, e também denominado assim pelo fato de muitos artistas virem da Europa, de quase todos os pontos. O estilo misturava a batida da era Disco com o house, que estoura nos rádios do mundo (No Brasil a rádio Jovem Pan 2 era a estação da dancemusic). Nos anos 90 o estilo ganhou muita popularidade em todo mundo, atingiu sue apogeu no ano de 1995, pois anos mais tarde o estilo foi perdendo força gradativamente. No ano de 1996 o estilo já apresenta um certo desgaste, sendo mesclado por elementos de trance, folk e também o reggae. E muitos projetos chegam a findar nesse mesmo ano.
Os artistas mais bem sucedidos no estilo formam: 2 Brothers on the 4th Floor ; 2 Unlimited; Ace of Base; Alexia; Angelina; ATB; Aqua; BG The Prince of Rap;Black Box; Captain Hollywood Project; Captain Jack; Cascada; Corona; Culture Beat; DJ Bobo; DJ Company; DJ Miko; Double You; Dr. Alban; E-Rotic; E-type; Fun Factory; Haddaway; Ice MC; JK; La Bouche; Le Click; Martha Wash; Maxx; Masterboy; Masterboy; Mr. President; Nevada; Nina; Nicki French; Playahitty; Real McCoy; Randy Bush; RuPaul; Scatman John; Snap!; Scooter; Whigfield; U96; Undercover; DJ Mangoo; J&R Project; Toy Box; Moisés Santana & Charles Friend; Tweenty 4 Seven;
Marta Marta Wash emprestou sua voz para praticamente todas as bandas de sucesso do dance dos anos 90, entre elas C&C Music Factory, Snap! e Black Box. Marta Wash consolida o estilo de vocal que vai guiar os novos estilos de música na próxima década, como Club House e Tribal House.
Grandes festivais como Lollapalooza e o Rock in Rio II.
A música volta a ter conteúdo político, com o Tibetan Freedom Concert, que apoiava o Movimento Internacional de Libertação do Tibete, começa em 1996, atraindo 120,000 por ano. Também surgem grupos politizados como o Rage Against the Machine.
A cultura rave populariza trance, techno e música eletrônica (e a droga ecstasy).
Cria-se nos EUA o selo Parental Advisory para letras censuradas como obscenas.
Os artistas country como Garth Brooks, Shania Twain, LeAnn Rimes, Faith Hill e Tim McGraw vendem milhões nos EUA.
O reggae brasileiro entra para as paradas com Cidade Negra, e também com grupos "reggae rock" como Skank.
O rock nacional revela vários nomes, dos mineiros Skank, Jota Quest e Pato Fu, ao mangue beat de Chico Science & Nação Zumbi, passando pelos Raimundos, Mamonas Assassinas e Charlie Brown Jr. No heavy metal, destaque para os mineiros do Sepultura e para os paulistas do Angra. No hard rock nacional, destacou-se o Dr. Sin e Golpe de Estado.
Gêneros brasileiros como o pagode, axé e sertanejo passam a ultrapassar o rock em vendagem no Brasil. O axé, que havia se tornado um modismo nacional na década de 80, voltou a emplacar uma nova geração de músicos a partir de 1997. A música sertaneja tem como destaque as duplas Leandro e Leonardo, Gian e Giovani, Chrystian e Ralf e outras calcadas no estilo romântico. Já o chamado pagode romântico, por sua vez, influenciado pelo pop internacional e por sucessos românticos da soul music setentista (não só musical, mas visual e tecnicamente), aparece com uma explosão de grupos como Raça Negra, Só Pra Contrariar, Katinguelê, entre outros.
Em 1995 a cantora Simone grava o primeiro álbum da história da indústria fonográfica brasileira composto exclusivamente por canções cristãs/natalinas, intitulado 25 de Dezembro. A vendagem, de 1.0 milhão de cópias, ocorreu em apenas um mês e meio. A versão em espanhol vendeu 2.0 milhões de cópias.